Sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

Gostava que alguém me explicassse a que título é que alguém que renuncia a um mandato de administrador numa empresa, i.é., denuncia unilateralmente a posição jurídica que detém face à mesma, vem a ser indemnizado por esse facto.

 

Há, de facto, uns contratos muito especiais cá pelo burgo...

 

Salvo disposição contratual em contrário (que muito me espantaria e muito explicaria sobre certo tipo de gestão pública), a parte que resolve um contrato antes do seu termo, a menos que invoque e venha a demonstrar a existência de incumprimento da parte contrária, é que incorre na obrigação de indemnizar a contraparte. Ora, neste caso, dá-se o inverso. Uns senhores administradores renunciam ao mandato, portanto, rescindem unilateralmente o vínculo que detém e, sabe-se lá porque carga de água, recebem integralmente os valores referentes ao mandato que, por sua iniciativa, decidiram não cumprir até ao fim.

 

Depois disto não há risco de parecer ordinário: é a puta da loucura, meus senhores!

 



publicado por Nuno Albuquerque às 23:19 | link do post | comentar

Em Portugal não existem vítimas de crimes. Apenas alegadas vítimas. É uma espécie de presunção de inocência, mas ao contrário.

Quem o faz, a comunicação social em peso, julga que a tanto está obrigado por força da tão maltratada presunção de inocência do arguido/suspeito (se o(s) houver), assim se furtando a eventuais e sempre chorudos pedidos de indemnização. Naturalmente, uma e outra razões são ridículas. Estúpidas, mesmo. Desde logo, porque a presumida inocência do suspeito/arguido não é em nada beliscada pela existência de uma vítima. O facto de um suspeito tornado arguido vir a ser absolvido do crime de que vinha acusado não faz desaparecer a vítima. Apenas significa que não se encontrou o culpado.

Esta peregrina prática jornalística leva-nos a situações absurdas como a de termos uma “alegada” vítima de agressão física, com a cara feita num bolo, duas pernas partidas e sem os dentes da frente que, a final, face à incapacidade de acusar/condenar alguém, nunca chegará a alcançar a qualidade de vítima. E porquê? Apenas e tão só porque não se apanhou o tratante. Não há culpado, não há vítima. ( é uma variante do nula crime sine lege dos tempos mediáticos.)

 

No limite, chegará o dia, mais cedo do que tarde, em que um morto de morte matada será apenas e só um alegado morto.

 

Pobre país.

 

Adenda: Esta prática conhece apenas uma excepção, vá, duas: tratando-se de “violência doméstica” ou de crimes assim mais para o popularucho, é um fartar vilanagem de vítimas e criminosos. Basta alguém gritar “violência doméstica” e temos, imediatamente, vítima e culpado. E depois ainda dizem que a justiça é lenta.



publicado por Nuno Albuquerque às 21:30 | link do post | comentar

mais sobre mim
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

SOCIO-FASCISMO

Comentários online. Ponto...

Bofetadas

Animal feroz.

A Taxa

Rui Machete pede desculpa...

Limitação de mandatos

Da falta de pudor.

Deus,se existisse, era at...

"Até quando a velha carca...

arquivos

Setembro 2017

Janeiro 2017

Abril 2016

Novembro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Março 2013

Novembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Dezembro 2011

Maio 2011

Setembro 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

links
blogs SAPO
subscrever feeds